empurre-essa-bicicleta-pedal-glamourUm surto de autoimportância pode nos fazer crer que somos o centro das atenções. Normalmente não acontece quando compramos um vestido novo ou usamos aquele batom vermelho bafo, mas sim quando nos sentimos fazendo algo de errado. Comumente, ao começar a pedalar, achamos que todo o planeta terra está prestando atenção na nossa falta de coordenação motora, no medo dos nossos olhos e na nossa lentidão de iniciante.

De verdade, ninguém se importa. As pessoas estão ocupadas demais com seus próprios dramas para sair julgando você. Mesmo assim, tem hora que a gente congela. Pode ser porque um motorista passou perto demais, porque ficamos confusas em como agir num cruzamento ou simplesmente porque o nosso corpinho não sabe lidar com tudo aquilo.

Daí a gente se faz mentalmente aquela pergunta ‘mas que raios eu fui inventar isso?’ ou a famigerada ‘o quê eu tava pensando da vida, dels?!’. Afinal, sair da zona de conforto não é tarefa fácil e começar a pedalar nos lembra disso a cada segundo. Sendo assim, o que podemos fazer na hora que o desespero bate? Ora, empurrar.

Por muito tempo, eu mais carreguei a bicicleta do que pedalei. Eu só andava na ciclovia. Fim. Qualquer outro metro fora dela, eu sentia que algum imbecil iria me moer. Então eu parava e empurrava. Empurrava por quilômetros. Levava tempo. Só que a cada dia, ao empurrar, eu percebia o comportamento dos motoristas, entendia melhor o trajeto que estava fazendo e ia ganhando autoconfiança.

Foram meses me sentindo ridícula por empurrar, mas também foram momentos decisivos para que eu não desistisse. Naquela época, eu descobri que respeitar meus medos, mas também enfrentá-los, era vital para que a a bicicleta se tornasse o meu meio de transporte principal.

Então, moça, se você estiver apavorada, não se preocupe: você também está autorizada a empurrar. Está permitida a se sentir observada, julgada e, veja bem, admirada. Porque, no fim das contas, você está – ainda que devagarinho – criando uma nova rotina. E, calma, é aos poucos que as coisas vão dando certo. Na próxima vez que você pensar em desistir de ir pedalando porque está com medo, lembre-se: em caso de dificuldade, você sempre poderá empurrar.

+ Para animar a pedalar por aí:

 Imagem via Modices.

7 Comentários

  1. Maria Pereira

    Muito legal isso
    Estou indo para a universidade de bike sempre e tem um morro aqui que eu não consigo subir. Antes morria de vergonha de empurrar a bike, principalmente se passasse algum ciclista pedalando lindamente por toda a subida. Agora não me importo, vou na boa empurrando minha bike e ainda curtindo quem consegue subir.
    Esse foi o aprendizado de 2015. <3

    • pglamour

      É bem isso mesmo, às vezes é só uma questão de aprender melhor as marchas e irás superar quase todos os morros. Eu adoro ver gente empurrando, porque sei bem o que a pessoa está passando (e que ela não está se deixando vencer!). Obrigada por escrever. Beijão!

  2. ENE ALMEIDA E SILVA

    oi
    fui a um passeio mas como nao tinha o treino dos outros tive que empurrar a bike,com isso me senti muito mal,decuçao nunca mais participei dos paseios,sinto falta pois queria fazer novas amizades……resultado bike parada….

    • pglamour

      Olá, Ene 🙂 Não desiste não. Tem pedais em que o ritmo é mais rápido mesmo e acaba sendo difícil acompanhar. O ideal é começar nos que são dedicados aos iniciantes. Todo mundo passa por isso, viu? Não se sinta culpada, é só uma questão de ganhar experiência mesmo. Podes começar dando voltas aos finais de semana, coisa de poucos quilômetros mesmo. Qualquer voltinha tá valendo e ajuda um monte a ganhar disposição e experiência para pedaladas maiores! Eu super confio que vais conseguir! Beijão!

  3. Adorei a autorização! Obrigada!
    Eu comecei a vir trabalhar de bicicleta alguns dias da semana, mas não sou muito “habilidosa”. Eu praticamente só subo na bike na ciclovia/ciclofaixa e nos outros trechos (que no meu caso são bem curtos) empurro mesmo.
    Ainda não me sinto segura para andar próxima de carros, me sinto bastante intimidada. Mesmo para subir a passarela do CIC às vezes me dá um pavor quando tem muita gente passando do meu lado e já desci da bike algumas vezes por medo de esbarrar em alguém.
    Mas estou melhorando aos poucos!

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *