que-se-feda
Via Pinterest.

Eu sou uma pessoa péssima. Se o mundo fosse um lugar justo – e sabemos bem que ele não o é – meia dúzia de comentários meus seriam o suficiente para ter minha existência na terra cancelada. Sou capaz de ser cruel e urdir comentários completamente desajustados por horas a fio.

Apesar disto, nunca, jamais, na minha existência, parei para listar quem são as pessoas que conheço que fedem. Pode procurar nos meus arquivos ou na contracapa da minha agenda de 1999: nada será encontrado.

Dizem que as pessoas têm medo de morrer ou engordar, mas acho que isto é uma grande balela. Você pode até ficar assim depois de ir ao buffet livre de pizza, mas é algo muito ocasional. São medos que convém vez ou outra, mas logo passa. Agora feder, feder não. Feder é o medo mais vivo que o ser humano pode ter. Nunca é demais conferir os sovacos – ainda que discretamente – para ter certeza: hoje não estou fedendo.

E se o mundo pode ser dividido, eu sugiro que seja entre pessoas que querem pedalar e as que pedalam. Praticamente todos se lastimam do congestionamento e do preço da gasolina. Quase todos iriam de bicicleta ‘se pudessem’, mas aí, no fim do discurso sempre tem o ‘quem quer chegar ao trabalho suado e fedendo?’.

Mascaram e/ou misturam o pavor de feder com o pavor de ser esmagado por um caminhão ou por um motorista desatento. Talvez porque muitas vezes, ao dirigir, percebem que conferiram as notificações do Facebook bem quando tinha uma criança atravessando a rua. Mas ok, isto passa, isto é superável, se não fosse, não teria tanta gente na rua. Agora feder, isto não. Isto parece ser impossível de ser evitado. Nada pode ser mais constrangedor.

Vou te contar um segredo: você não irá feder. Posso provar. Ontem estava em um evento lotado de bicicleteiros. Alguns chegavam encharcados com o calor do verão e diziam um educado ‘não vou te beijar porque estou suado’. Outros, despudorados, chegavam abraçando mesmo. Nenhum estava fedendo. Nenhum fazia parte de uma seita com pacto com entidades de outro plano.

Pedalar não te deixa fedendo, mas te deixa molhado – o que não justifica você confundir alhos com bugalhos. Cozinhar no ponto de ônibus ou no congestionamento talvez te deixe fedendo, mas pedalar não. Você só precisa de uns 5 minutos até parar de suar e tudo estará bem. É só o seu corpo, feliz, reagindo ao calor e ao esforço físico.

Eu sei que você não acredita que o seu maior medo de resolve assim fácil. Só tem um jeito de comprovar: vá um dia e descubra. Pare de comentar sobre coisas no facebook que você nunca viveu. Você pode estar errado. Além de tudo, a sua vida é muito bonita para se gastar verificando notificações enquanto dirige. E, querido, eu tenho certeza que você fica maravilhoso todo molhado.

3 Comentários

  1. Muito legal e bem humorado 😀

  2. Baita texto, amiga Naiara! Clap! <3

  3. Hahaha! Sensacional. É bem isso, a gente sua igual, de ônibus, bicicleta ou carro. A vantagem da bicicleta é que sempre rola um ventinho pra refrescar 😀

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *